Anixter aposta no Brasil

Detentora e representante de tecnologias, Anixter espera crescer 25% em 2015 no País

Da Redação


Crescimento no Brasil foi de 20% em 2014, diz o presidente Bob Eck (esq.)
ao lado de Elder Branco Ferreira, diretor administrativo

 

A Anixter possui solução completa para infraestrutura, tecnologia e câmeras, mas não só isso. Seus negócios se estendem a data centers, infraestrutura de comunicações, segurança, projetos industriais, comunicação industrial e controle, cabos, caminhões, agricultura e construção e equipamento médico.

Durante visita ao Brasil, Bob Eck, presidente e CEO da Anixter, considerou que a América Latina é bom lugar para investir. No Brasil, em especial, ele considera o desenvolvimento de negócios fácil no Brasil por conta da cultura e das características da população, mas considera, por outro lado, difícil trafegar pelos meandros tributários.

No Brasil, a Anixter divide suas operações em 1/3 para segurança, infraestrutura e soluções de videoconferência. No País, surgem as soluções para a vertical de transportes. "2014 foi um ano forte no Brasil", diz Eck. Segundo ele, foram 21 anos de altos e baixos no País em que a Anixter segue apostando. Além de São Paulo, a Anixter está em Salvador, Rio de Janeiro, Recife e Brasília. Assim, 37% da receita da companhia obtida no País está fora de São Paulo.

Em Indaiatuba, a Anixter possui um centro de distribuição e testes, assim como um novo escritório em São Paulo. Esse centro do interior de São Paulo segue os moldes do laboratório de Chicago, que serve como um ambiente de provas para segurança, dados e infraestrutura. Nos EUA, 11 engenheiros trabalham em um solutions briefing center.  

No último ano, o crescimento no Brasil foi de 20%, informa Eck, que prevê 25% neste ano. Outra novidade é a implementação de um programa de treinamento em tecnologia. Considerados os negócios globais da Anixter, gabinetes, supplies infraestrutura e data center representam 60% do total. De toda a receita, 35% têm origem em segurança, um ramo que a Anixter resolveu apostar recentemente. "O negócio era infraestrutura. O DNA é IP", afirma Elder Branco Ferreira,  diretor administrativo da Anixter Brasil. 

A Anixter participa do desenho e criação dos datacenters, que podem ser de quatro tipos: colocation (hospeda clientes), para telecoms, para usuários finais e cloud providers. Entre os usuários finais está o case Ibm/Itaú. Já no programa de contas globais, a cloud interessa a clientes como Google. A Anixter é parceira de empresas brasileiras com atuação global como Votoratim, JBS e Itaú. A Anixter fornece a tecnologia por intermédio do integrador. O data center da Anixter fica em Chicago. 

Há cerca de três anos, a Anixter trabalha com um programa que investe no design de data centers para poupar energia e gerar o menor calor possível. Isso abrange os conceitos de corredor frio e quente, contenção de calor ou frio. Depois de uma reengenharia no Data Center da Anixter, de cada três ares condicionados, um foi desligado. O piso do datacenter pode baixar a temperatura em 2º ou 3º graus. 

Notícias Relacionadas