Riedel conecta a Fórmula 1

Campeonato Mundial de Fórmula 1 conta com tecnologia Riedel

Da Redação


 

 

 Um dos aspectos mais complexos nestas provas é a comunicação e os rádio links AV

 


A história da Riedel corre em paralelo ao auge da Fórmula 1 em todo o mundo há mais de duas décadas. Tanto nos inícios de uma modesta empresa alemã, fundada por Thomas Riedel, que encontrou na Fórmula 1 o trampolim que necessitava para sua mais forte aposta pelo I+D, como por parte da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), que soube ver a Riedel como sócio tecnológico perfeito para facilitar as comunicações e o tráfego de dados de vídeo, áudio e rede, o motor e a tecnologia da Riedel tem estado intimamente juntas desde 1993.

O Mundial de Fórmula 1, que acontece de março até final de novembro nos cinco continentes, coloca ano após ano um sem fim de objetivos devido a diferença de temperaturas, as duras condições de transporte e um calendário trepidante para deslocar toneladas de equipamento. Um dos aspectos mais complexos nestas provas é a comunicação e os rádio links AV já que a habitual sobressaturação do espectro, e a disparidade de critérios para sua organização faz que a RF seja preocupação que somente sistemas de comunicações robustos como os da Riedel permitem garantir um nível ótimo de qualidade em qualquer situação radioelétrica ou meio ambiental.

Command Center de Riedel en la Fórmula 1

Todas as comunicações na Fórmula 1 acontecem mediante dois painéis e matriz digital Artist de Riedel. Tanto a Formula One Management (FOM), Formula One Administration (FOA), a Federação Internacional de Automovilismo (FIA) e as equipes das escuderias empregam estes sistemas da Riedel. A interface da Artist está perfeitamente integrada com os sistemas TETRA de rádio digital 1800 UNSIT da Motorola.

A rede TETRA combina as vantagens da rádio de tronco analógico com a comunicação móvel digital maximizando o uso do espectro ao mesmo tempo que consegue a mais alta qualidade de transmissão tanto em voz como dados, máxima proteção ante ingerências e escutas ilegais e a possibilidade de criação de redes e conexões de gestão flexível. Além disso, um sistema “troncalizado” de rádio digital permite uma comunicação full-duplex, GPS de posicionamento, e a conexão da rede telefônica pública. O sistema oferece a opção de operar diferentes canais virtuais e aproveitar a conectividade IP para interconectar outros sistemas.

Os sistemas Artist não somente são empregados por parte da FIA na organização de cada corrida, já que também os utiliza a Formula One Management (FOM), que produz o sinal broadcast oficial.

20 engenheiros da Riedel se deslocam até o lugar onde acontece cada corrida para assegurar que tudo funciona perfeitamente. A maioria destes engenheiros acompanham de forma habitual as equipes tanto no trabalho do dia a dia em suas sedes respectivas como em seus deslocamentos internacionais.

Uno destes técnicos, Mateo Giusti, que acompanha o Sahara Force India F1 Team, comenta a Panorama Audiovisual que “tanto engenheiros, pilotos e pessoal técnico de cada equipe precisam manter comunicações muito claras e imediatas. Uma falha de décimas de segundo pode significar a diferença entre ganhar ou perder. Temos que levar em conta que em 80% do tempo de duração de uma corrida, os pilotos estão falando com sua equipe”. Além de um espectro saturado, tanto a FIA como as equipes têm que lutar em suas comunicações com um elevado ruído ambiental que supera em ocasiões os 130 dB, e a fidelidade do sinal se torna chave. Cabe destacar neste aspecto, que por segurança e redundância máxima, os pilotos contam com intercom tanto digital como analógica. Giousti também assinala que “o uso de painéis Artist de Riedel se deve, além de sua grande confiabilidade e flexibilidade, a que são os únicos que permitem seu uso com luz solar direta e nas mais extremas condições meio ambientais”.

Riedel oferece este mesmo sistema de rádio digital ao pessoal de segurança e médico, assim como os condutores do safety car. A segurança é uma preocupação primordial na F1 e a capacidade de comunicação com o pessoal de segurança ao longo de todo o circuito é vital.

Os sinais manejados pela FIA e as próprias equipes são encaminhadas para uma estação base de rádio com três antenas (dois receptores e um transmissor). Posteriormente estes sinais são roteados pelo serviço internacional por fibra RiLink da Riedel a um centro de dados em Frankfurt (que serve como centro para suas operações para todo o mundo), mantendo-se disponíveis para sua consulta 24/7 durante todo o ano tanto para broadcasters como para o pessoal da FIA e as próprias escuderias.

Através de uma rede de telecomunicações de alto rendimento (MPLS) que se executa em RiLink, o pessoal técnico e de apoio tanto das escuderias como da própria FIA podem comunicar-se de qualquer ponto de forma imediata forma imediata com uma demora de apenas 300 milissegundos de o estrangeiro e somente 10 ms na Europa. Para esta temporada, a FIA autorizou cada escuderia a trocar um total de 60 professionais no circuito onde acontece a prova. Todos eles estão, graças a tecnologia da Riedel, em contínua comunicação com até 250 técnicos, médicos e pessoal de apoio que segue a corrida de sua própria sede.

Áudio e vídeo

Para o vídeo, tanto a FOM como a FIA utilizam os sistemas da MediorNet da Riedel, e redes de fibra permanentes e temporais, para acessar e distribuir sinais. Ao mesmo tempo, MediorNet permite rotear os sinais HD de 22 câmeras de circuito fechado usadas em cada circuito por segurança.

Os sistemas de intercomunicação Artist da Riedel e os sistemas de rede de áudio RockNet se combinam em uma rede MediorNet para construir una infraestrutura de transmissão completa que pode ser gerida remotamente. Por se tratar de uma rede de fibra, cada sinal está disponível em cada nó e em caso de falha em alguma das fibras - se romper ou se desconectar, o sistema re-roteia diretamente os sinais evitando a falha.

A rede RiLink da Riedel proporciona links bidirecionais entre o circuito e os  broadcasters com direitos de emissão, o que permite não somente o transporte de sinais 3G / HD / SDSDI, mas também dispor de retorno de vídeo, comunicações full-duplex, telefonia VoIP e dados IP. Além disso, RiLink proporciona conexões de grande largura de banda, o que se traduz diretamente em uma melhor qualidade de vídeo. A latência de RiLink é também significativamente mais curta e sua transmissão é completamente independente das condições meteorológicas. Várias capas de redundância dentro da rede proporcionam a máxima confiabilidade e QoS para esta rede em tempo real.

O coração de todo o desenvolvimento técnico que Riedel coloca em prática em cada temporada de Fórmula 1 é encontrado no denominado “Command Center”. Trata-se de uma grande caixa flyway equipada com todos os sistemas de comunicações e rede de vídeo, áudio e dados. A unidade, totalmente redundante quanto a sinais e alimentação elétrica com grupo eletrônico próprio, contém uma Artist de 128 portas e vários servidores (com até 60 TB) carregados em um software gestor desenvolvido pela própria Riedel.

A este centro chegam todos os sinais de rádio, TETRA, GPS, intercom, videossegurança, multicâmera broadcast, telemetria… armazenando-se para que em qualquer momento durante a própria corrida ou durante toda a temporada tanto o pessoal da FIA como as escuderias possam o acessar. Toda esta informação pode continuar em tempo real remotamente ou no próprio circuito mediante um simples iPad.

Notícias Relacionadas